Existe uma necessidade elevada e não suprida de medicamentos que abordem as causas fundamentais da doença de Parkinson e do GBA-AP. Em vez de proporcionarem um mero alívio sintomático, as terapêuticas direcionadas às causas biológicas subjacentes poderão potencialmente retardar a progressão da doença em determinados doentes.

"Para os doentes com GBA-AP, com atividade enzimática da GCase comprometida, várias evidências sugerem que a ativação farmacológica da enzima GCase poderá proporcionar benefícios terapêuticos."

Demonstrou-se que níveis reduzidos de atividade de GCase aumentam o risco de Parkinson e aceleram o declínio dos doentes com Parkinson. Para os doentes com GBA-AP, com atividade enzimática de GCase reduzida, várias evidências sugerem que a ativação farmacológica da enzima GCase poderá proporcionar benefícios terapêuticos.

A BIA 28-6156/LTI-291 é o primeiro ativador da enzima GCase a ser testado em estudos clínicos. Foi concebida para atuar sobre a enzima GCase com o propósito de aumentar a sua atividade e melhorar o metabolismo dos glicoesfingolipidos no lisossoma. Estudos pré-clínicos demonstraram que a BIA 28-6156/LTI-291 atravessa facilmente a barreira hematoencefálica e acede à enzima GCase no cérebro e no sistema nervoso central. A BIA 28-6156/LTI-291 está a ser desenvolvida como um composto farmacêutico inovador e de primeira linha para o tratamento potencial de doentes com GBA-AP.

Diversos estudos em sistemas baseados em células humanas e modelos animais com atividade GCase reduzida mostraram que a administração de BIA 28-6156/LTI-291 restabelece o metabolismo dos glicoesfingolípidos e a função lisossomal. O efeito da ativação da GCase mediada pela BIA 28-6156/LTI-291 é mais profundo quando a atividade da enzima GCase se apresenta mais afetada. A BIA 28-6156/LTI-291 normalizou níveis de glicoesfingolipídios numa série de modelos.

O programa de desenvolvimento clínico da BIAL Biotech avançou através das primeiras fases de ensaios clínicos em seres humanos, que incluíram voluntários saudáveis e doentes com GBA-AP. Com base nestes resultados, a empresa está a preparar um programa para o desenvolvimento clínico mais avançado.